Finanças Saudáveis

A escolha correta do crédito é o caminho para uma vida financeira saudável. Avalie todas as opções disponíveis e planeje com sabedoria.

Dicas

Organize sua vida financeira e tenha um futuro tranquilo

Uma vida financeira saudável é fruto de um consumo consciente

Gerencie suas dívidas e garanta uma vida financeira equilibrada

Investir no futuro é o caminho mais fácil para realizar seus planos

A escolha correta do crédito é o caminho para uma vida financeira saudável.

Entenda mais

Uma vida financeira saudável é fruto de um consumo consciente.


À prazo x à vista


Especialistas em finanças pessoais aconselham sempre compras à vista. A sugestão é guardar a quantia da parcela durante o número de meses que você demoraria para pagar as prestações e, quando estiver com o total, ir até a loja e fechar o negócio.
Sem dúvida, com o dinheiro em mãos, é fácil conseguir um desconto de 5% ou 10%, mas nem sempre isso é possível. Se acontece uma emergência e você não tem nenhum centavo guardado, a melhor maneira de adquirir um bem é parcelando.
Se for inevitável, evite dividir com juros e escolha o menor número de parcelas possível. Dividir uma compra de até 1 mil reais em 10 vezes, por exemplo, pode ser um bom negócio se nos dias seguintes você não tiver que fazer novas prestações que, somadas, podem chegar a 1 mil reais mensais ou mais.
A situação muda completamente para quem tem um orçamento organizado. Isso é a base para a educação financeira e o consumo consciente.


Casa própria


Alguns especialistas financeiros acreditam que o capital investido na compra de uma casa ou apartamento pode ser mais lucrativo se for aplicado em um investimento. Mas para a maioria dos brasileiros esse patrimônio representa uma garantia para o futuro, especialmente para milhões que comprometem mais de 30% do rendimento familiar com despesas de aluguel.
A matemática nesses casos é simples: mesmo que a situação financeira se complique, tendo onde morar, as outras pendências ficam mais fáceis de resolver. Em situações extremas, o bem pode ser vendido, dependendo do caso, até com valor superior ao da compra.
Antes de tomar a decisão de entrar em um financiamento imobiliário ou continuar pagando aluguel, é importante colocar na balança o valor do aluguel atual, do imóvel desejado, as taxas de juros e os prazos do financiamento.
Calcule os custos com cartório e imobiliária
Se você nunca comprou um imóvel é provável que não saiba que precisa arcar com as despesas de documentação do bem: transferência para o seu nome, escritura e registro realizadas em cartórios e órgãos públicos.
Elas podem chegar a 5% do valor do imóvel. E o pagamento nesse caso é à vista. As tabelas do Tabelionatos de Notas, que lavram as escrituras, e os Cartórios de Registros de Imóveis, são progressivas e variam de acordo com o valor total do imóvel e a região do país.
Para os cálculos dessas despesas, vale o que for maior, o valor venal (determinado pelo Prefeitura com base na soma do que foi gasto na construção com o valor do terreno) ou o preço do mercado.


Carro


Muita gente anda questionando sobre o uso do carro e questionando se o conforto realmente vale a pena e acabam pensando melhor sobre a compra. Além da preocupação com o meio ambiente, alegam os altos custos de ter um automóvel.
Por isso, antes de decidir pelo modelo, faça as contas e pese suas necessidades. Se você tem facilidade para andar de transporte público ou a família já possui um carro, pense se realmente é a hora de adquirir esse bem.
Calcule despesas com seguro e manutenção
O desejo de ter um carro novo supera, muitas vezes , o planejamento financeiro. E é comum se esquecer de incluir no orçamento as despesas com manutenção e segurança.
Além do dinheiro investido em combustível, balanceamento, alinhamento, troca de óleo a cada 5 ou 10 mil quilômetros, todos os anos é preciso fazer licenciamento, inspeção veicular (para quem mora em São Paulo), pagar IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) e seguros: o obrigatório DPVAT (Seguro de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre) e o seguro particular contra sinistros, roubos e furtos.
E como se trata de uma máquina, às vezes, apresenta defeito e necessita de mecânico e peças novas. Por isso, antes de fechar negócio, pense em todos os gastos.


A hora de trocar


A decisão de trocar deve ser avaliada levando em consideração o orçamento da família e as características do veículo. Se o carro vem dando muitos problemas e vive na oficina, a substituição pode trazer economia.
Os especialistas só não recomendam a troca anual devido à grande desvalorização durante esse curto período. Pesquisas mostram que a maior perda de valor ocorre justamente nos primeiros doze meses após a fabricação. E que a partir do segundo ano tende a diminuir.

Organize sua vida financeira e tenha um futuro tranquilo.

 

Use seu dinheiro com sabedoria


Fazer o cálculo dos gastos mensais é fundamental para organizar sua vida financeira e evitar problemas futuros com o dinheiro.
Além das contas de maior valor e das fixas, como aluguel, prestação da casa própria, condomínio e mensalidades escolares, é importante anotar também as pequenas despesas diárias, aquelas que você julga insignificantes – por exemplo, o cafezinho no meio da tarde, o chope do happy-hour, o estacionamento, o cinema do fim de semana.
Pode parecer pouco, mas só para você ter uma ideia do que isso significa, se comprar um expresso e um pão de queijo todos os dias, pagando por eles cerca de seis reais, ao final do mês terá gasto 180 reais. Ao fim do ano, esse valor pode chegar a 2.190 reais.
O orçamento doméstico ou pessoal é uma ferramenta para determinar o limite do seu custo de vida e garantir o controle da sua vida financeira. Para saber o quanto você terá disponível durante o mês, precisa listar todos os créditos (salários e outros ganhos) e os débitos (contas, contribuições, despesas em geral).
Se os débitos forem maiores que os créditos, é sinal de que você está gastando mais do que ganha. Quanto antes você rever seu orçamento, para que fique no azul, melhor para suas finanças.


Como planejar


Planilha de orçamento


A planilha de orçamento é uma ferramenta indispensável para quem deseja controlar seu orçamento de maneira prática. Nesse modelo, os cálculos são feitos automaticamente conforme seus créditos e débitos. Lembre-se apenas que o ideal é não gastar tudo o que ganha. Reserve pelo ao menos 10% do seu salário para investir.

 

Como realizar seus sonhos


Para comprar o carro ou a casa que você tanto quer, passar as férias em um país distante ou fazer a festa de casamento, formatura ou aniversário do jeito que você deseja, é preciso ter dinheiro. E a única maneira de fazer isso é guardando e investindo corretamente.
Quem gasta tudo o que recebe não consegue planejar o futuro nem se preparar para uma emergência, que pode ser a perda do emprego ou o afastamento das suas funções quando trabalhador anônimo, gastos com uma possível doença entre outras surpresas.
Pense nisso e encare sua educação financeira como prioridade a partir de agora.

 

Realização de sonhos


Planejar gastos não é sinônimo de privação, mas de organização. Quem trabalha merece aproveitar os frutos desse esforço que vem em forma de dinheiro.
O prazer em comprar um presente para si é mais do que merecido, mas para que esses luxos não se transformem em dor de cabeça, inclua em seus cálculos os extras com os quais você tanto sonha.
Se são as viagens, os carros ou a reforma da casa, não importa. O fundamental é que você tenha condições de pagar por eles sem se endividar. E você só saberá se realmente pode gastar depois que controlar seu orçamento.


Orçamento familiar


Enfrente as contas de inicio de ano de um jeito diferente. Todo começo de ano parece uma enorme ressaca: contas e mais contas, IPVA do carro, IPTU já com o valor mais alto, sem contar os gastos que anteceden o início das aulas, como matrícula, mensalidade, uniforme e material escolar das crianças.
Calma, respire fundo e relaxe! O melhor remédio para essa avalanche de contas é pesquisar, comparar preços, condições e qual meio de pagamento é mais vantajoso. Por exemplo, veja se o desconto concedido para pagamento de IPVA e IPTU em parcela única vale a pena. Quanto a lista de material escolar, verifique quais itens realmente são necessários. Depois, pesquise os preços em duas ou três lojas.
Pra você ficar mais tranqüilo no próximo ano e pagar as contas sem aperto, programe-se desde já. A partir desse mês, deposite mensalmente uma pequena quantia na poupança.

Gerencie suas dívidas e garanta uma vida financeira equilibrada.

 

No azul


Você pode fazer uma dívida para comprar um bem, pagar operações do seu negócio (como capital de giro) ou despesas relacionadas a emergências e, mesmo assim, manter uma situação financeira equilibrada. Para isso, precisa avaliar bem a situação e manter a organização.

Leve em consideração o prazo para liquidá-la e se ela ainda existirá depois do item comprado ser consumido.
Se a dívida for para investir em negócio, considere se a renda obtida é compatível com o custo do empréstimo, se aumentará o ganho com o produto final ou se existe a possibilidade de futuramente aproveitar a oportunidade de negócio rentável para pagar a quantia devida.

 

Quitando débitos


Se você não está conseguindo pagar as contas em dia e os atrasos se acumulam todos os meses, é preciso tomar uma atitude.
O primeiro passo é saber quanto você deve e para quem. Com esses dados em mãos, procure o gerente do seu banco e informe sobre a possibilidade de um empréstimo no valor total da sua dívida.
Se não conseguir o suficiente para quitar tudo, pague primeiro as contas com juros mais altos. Além disso, considere a possibilidade de negociar o parcelamento do débito com as operadoras de cartões de crédito, lojas de varejo e prestadores de serviço.
E pense também em renegociar os vários empréstimos que possui na mesma situação com juros menores. Fale com seu gerente e veja as opções que ele oferece.

 

Corte no orçamento


Se o orçamento não fecha, é preciso fazer ajustes no consumo da família.
Durante esse período de acerto, corte os supérfluos, desde os petiscos e doces que enchem o carrinho do supermercado, os jantares e almoços em restaurantes, as viagens de fim de semana e até a ida ao cabeleireiro toda semana.
Procure opções de lazer que caibam no seu bolso, troque as marcas dos produtos que usa por outras mais baratas e lembre-se que são privações temporárias para conquistar a tão sonhada paz financeira.
Imagine o alívio quando essa fase passar e você conseguir iniciar um investimento. 

Vale a pena.

Investir no futuro é o caminho mais fácil para realizar seus planos.


Pensando no futuro


Depois que estiver com as dívidas sanadas, é importante começar a depositar mensalmente uma quantia em dinheiro. Isso é fundamental, pois você se previne em casos de emergência ou utiliza para realização de planos e sonhos – por exemplo, o início de um curso, a festa de casamento ou até mesmo a tão sonhada viagem de férias para um lugar que sempre quis conhecer.
Existem várias formas de investir, entre elas a poupança. Segundo especialistas, esse ainda é o investimento com menor risco de mercado. Apesar de render aproximadamente 0,5% ao mês, não incide Imposto de Renda. Além disso, até o valor de 60 mil reais por CPF, o Fundo Garantidor de Créditos (entidade privada, sem fins lucrativos, que administra o mecanismo de proteção aos correntistas, poupadores e investidores, contra instituições financeiras em caso de intervenção, liquidação ou falência) assegura o montante em caso de falência da instituição bancária.
Fale com seu gerente e veja as outras opções de investimento e encontre a que melhor combina com você.