Games: conheça a história de 3 mulheres desenvolvedoras

Além de jogar, elas fazem jogos incríveis


Por Luiz Felipe Simões

 

Eu aposto que você não sabia que 53% dos jogadores de games são mulheres! Isso mesmo. Mas o papel delas no universo dos games não para por aí. As mulheres também desenvolvem jogos e lideram várias iniciativas legais na área de tecnologia. A pesquisa ‘Game Brasil 2019’, traz dados que podem ajudar a entender como é a presença delas no mercado aqui do Brasil.

Apesar de serem mais de metade do público gamer no Brasil, elas ainda representam hoje apenas 20,7% do quadro de funcionários. E isso mesmo com esse número tendo triplicado nos últimos cinco anos de acordo com o 2º Censo dos games.

E a Credicard foi conversar com três desenvolvedoras para entender um pouquinho mais sobre a carreira e os desafios enfrentados por elas nesse mercado em crescimento.

 

Começo da carreira

Quando elas começaram, o mercado no Brasil ainda não era muito popularizado. Adriana Kei, professora de Game Design na Universidade Anhembi Morumbi, conta que após a experiência de atender um cliente no desenvolvimento de jogos, decidiu formar um estúdio próprio de criação e desenvolvimento de jogos digitais. Já Bruna Aurélio, que hoje trabalha no estúdio brasileiro Insane como Concept Artist, fala que o começo da carreira foi lento, mas não por sofrer preconceitos, e sim porque o mercado era bem novo aqui no Brasil.

Apesar de inícios diferentes de carreira, todas concordam que a participação feminina na indústria de games deveria ser maior. Para Bruna é preciso dar visibilidade às mulheres que atuam nas áreas de tecnologia: "representatividade importa muito, por isso é importante fortalecer projetos incríveis, como o Change The Game, por exemplo, que é uma iniciativa do Google Play para apoiar e incentivar a representatividade feminina”, diz a desenvolvedora.

"Ter essas mulheres como referência para as meninas de hoje, que estão ainda decidindo o que vão estudar nos próximos anos, é a chave", conclui Ana.

Adriana, por sua vez, acredita que é essencial as pessoas não serem desencorajadas a correr riscos e a tentarem realizar algo incomum, que tenha um caráter pioneiro ou pareça um sonho distante.

E você, curte games? Continue acompanhando os conteúdos do Blog da Credicard que em breve vamos falar mais sobre o mundo de
games ;)